Nova teoria sobre voo sumido há quatro anos sugere 'massacre' do piloto

Esta seria a razão do silêncio no avião apesar da mudança brusca na rota - já que o comandante teria alterado o trajeto do voo para se despedir da sua cidade natal.

Em duas ocasiões, quem estava no comando do avião -e provavelmente era a única pessoa acordada- inclinou a aeronave à esquerda. Esta é a teoria "arrepiante" que a equipe de analistas reunida pelo programa de TV australiano "60 Minutes" divulgou sobre as horas finais do MH370.

A teoria a que estes especialistas chegaram agora aponta então para o suicídio do piloto, antecedido por um ato premeditado de homicídio em massa, cita a Visão.

Para isso, Zaharie terá provocado a despressurização da cabine, deixando todos os ocupantes inconscientes, à exceção do próprio piloto que usaria uma máscara de oxigénio.

Os restos não foram encontrados, apesar de milhões de dólares terem sido investidos nos quatro anos de busca.

Outros dois especialistas consultados pelo 60 Minutos Austrália também contrariam o cenário avançado pelo serviço australiano de segurança de transporte de que a aeronave se despenhou sem qualquer controlo.

"A coisa mais discutida é o ponto em que o piloto desligou o transponder, que ele despressurizou o avião, o que incapacitaria os passageiros", disse Larry Vance, um investigador de aeronaves veterano do Canadá. Ele estava se matando. "E fez isso deliberadamente". E depois uma outra curva à esquerda. "O capitão Zaharie fez um mergulho para ver Penang, sua cidade natal", disse Simon Hardy, um instrutor e piloto sênior de Boeing 777, ao programa da televisão australiana. E depois [ele faz] mais uma curva à esquerda.

"Poderia ser um longo e emocionado adeus", acrescentou Hardy. "Ou um curto adeus emocionado à sua cidade natal".

Os governos de Malásia, China e Austrália cancelaram a busca oficial em janeiro de 2017. Vários investigadores acreditaram saber o que se passou e onde está o avião desaparecido.

Porque Zaharie quis isso, respondem eles. Mas nenhum deles consideraria o avião uma ameaça, porque estava na borda de seu espaço aéreo. "Se você me contratasse para essa operação e tentar fazer um 777 desaparecer, eu faria o mesmo. É um voo muito preciso".

Mas, como escreveu a News.com.au, as hipóteses dos especialistas são apenas teorias -e não totalmente novas.

A investigação oficial revelou que tanto o piloto quanto o copiloto Fariq Abdul Hamid foram os principais suspeitos da tragédia.

O grupo Brigada dos Mártires Chineses disse que foi o responsável pela queda, entretanto o anúncio foi classificado como um hoax.

Dois passageiros estariam voando com passaportes falsos, mas um era solicitante de asilo e ambos não tinham ligações terroristas.

As ferragens do avião podem fornecer pistas sobre o que causou a queda e equipes independentes ainda o estão procurando.

A última tentativa de encontrá-lo foi um esforço de US$ 70 milhões (R$ 257 milhões) de uma empresa do Texas chamada Ocean Infinity, segundo a agência Associated Press. A missão rastreou 800 km2 por dia durante três meses de busca.

Edition: