Ex-técnico acusado de abuso sexual depõe na CPI dos Maus-Tratos

Ele é acusado de abusar de 40 crianças atletas e ex-atletas entre 1999 e 2016. "Alguém precisava cair, precisava estar fora. Eu derrubei muito técnico, em busca do melhor status e do melhor grupo acabava se indispondo com alguns outros técnicos", revelou. "Não pode blasfemar em público". Além de falar sobre as acusações de abuso, Fernando também foi avisado que está sendo processado por desvio de verba que era para ser aplicada na ginástica. O presidente da CPI, Magno Malta (PR-ES), questionou sobre os depoimentos das pelo menos 14 vítimas no processo que corre sob sigilo de Justiça, no Ministério Público Estadual e na Delegacia da Mulher, da Criança e do Adolescente de São Bernardo do Campo.

Segundo o globoesporte.com, ele disse que acabou criando muito inimigos pela forma que tratava a todos durante os 20 anos de carreira na ginástica. Mas o volume que foi colocado sobre mim, a forma que foi feita, eu não penso outra coisa a não ser vingança - defende-se. Eu fui um dos funcionários mais antigos do clube. Em seguida, após ser interpelado também pelo relator da CPI, José Medeiros (PODE-MT), ele citou que as vítimas têm sido induzidas a denunciá-lo. Não só eu falo isso, o próprio Marcos Goto falou isso. "Então eu acredito sim que a coisa vai num caminho de indução e de vingança". Fernando Lopes negou e, a pedido do presidente da CPI, autorizou a quebra do sigilo telemático dos últimos cinco anos. Anteriormente, ele só havia se pronunciado via nota oficial ou por meio de seu advogado, Luís Ricardo Davanzo. O acusado voltou a negar que observava os atletas nus, ou que tomava banho com eles. Tinha acesso ao banheiro e tomava meu banho. "No ginásio em que eu trabalhei haviam pais nas arquibancadas, outros treinadores e outros ginastas", disse. Entretanto, afirmou que participava de brincadeiras sobre os atletas. Aí surgiu. Depois, no momento em que tem uma situação do médico dos EUA se resgata esse tipo de assunto. Eu participei algumas vezes dessa brincadeira, mas nunca só eu e o atleta - afirmou Fernando. "Diziam 'Ah, está crescendo', só isso", destacou. Quando indagado sobre o que faria caso algum de seus dois filhos fosse vítima de abuso sexual, comentou: "Buscaria a Justiça".

Edition: