UE se diz determinada a 'salvar' acordo nuclear com Irã

Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mohammad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irão disse esta segunda-feira que quer garantias dos signatários do acordo nuclear, durante as suas visitas a Pequim, Moscovo e Bruxelas, de que os interesses de Teerão serão defendidos após a saída dos EUA.

"Eu acho que é um bom começo".

"Não somos ingênuos, sabemos que será difícil para todas as partes, mas estamos juntos para garantir a segurança do acordo de não-proliferação", disse Mogherini ao chegar em uma reunião onde discutirá o pacto com os ministros de Relações Exteriores do Reino Unido, da França, da Alemanha e do próprio Irã.

"Começamos o processo. Penso que estamos no caminho certo".

Embora a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirme que Teerã cumpre o tratado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou em 8 de maio que os EUA estão se retirando do acordo, acusando o Irã de continuar desenvolvendo armas nucleares.

Questionado sobre a via que seguirá a União Europeia, Steven Blockmans, do Centro de Estudos de Política Europeia, diz que o acordo de Viena "é uma das assinaturas de sucesso da UE, um dos poucos ao mais alto nível político e diplomático, e faz agora parte do seu legado". Depois de um encontro de uma hora e meia, Javad Zarif afirmou que o diálogo acerca da forma como salvar o acordo de 2015 sobre o nuclear teve um bom início, mas que tudo dependerá do que acontecerá nas próximas semanas.

A chefe da diplomacia europeia descartou qualquer emenda ou anexos ao texto, em resposta à solicitação dos Estados Unidos de renegociar um novo acordo.

Edition: