Mais de 1 milhão de pernambucanos tomaram a vacina contra a influenza

Dados divulgados hoje (14) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) apontam que o vírus H3N2 fez a primeira vítima em Minas Gerais.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, a Síndrome Gripal, manifestação mais comum da doença, se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga. Ao todo, até a divulgação do estudo, 53 casos da SRAG foram registrados.

De acordo com o Estado de Minas, a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocadas pelo Influenza está aumentando a cada semana.

O número de casos de Srag em 2018 representa uma diminuição de 30,4% em relação a 2017, quando foram registrados 650 adoecimentos, sendo 62 para influenza A (H3N2), 8 de influenza B, 3 de vírus sincicial respiratório (VSR) e 1 de para influenza1.

A SES-MG mantém uma vigilância universal de SRAG, monitorando os casos de internações e óbitos, com o objetivo de identificar o comportamento da Influenza no Estado, subsidiando a tomada de decisão em situações especiais.

Neste ano, a campanha também contempla trabalhadores da saúde (redes pública e privada), povos indígenas, pessoas com 60 anos ou mais de idade, crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto, mediante comprovação de gestação - certidão de nascimento, cartão da gestante, documento do hospital onde ocorreu o parto, entre outros). A meta nacional é vacinar, no mínimo, 90% do público prioritário até o final da campanha, em 1º de junho. O Influenza é um vírus de circulação sazonal e, em 2018, a vacina disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é trivalente, protegendo contra 3 tipos de Influenza, sendo eles o H3N2, o H1N1 e o B.

Edition: