Catalunha volta a ter presidente meio ano após perder autonomia

Em seguida Torra, que foi escolhido a dedo como candidato pelo ex-líder regional Carles Puigdemont, abraçou membros do Parlamento que fizeram fila para cumprimentá-lo.

Cabe agora a Quim Torra dar seguimento ao processo iniciado pelos independentistas após o referendo de 1 de outubro, que precipitou a aplicação do artigo 155 da Constituição espanhola, que suspende a autonomia da região, a dissolução do Governo e a marcação de novas eleições regionais.

O Parlamento catalão elegeu nesta segunda-feira o independentista Quim Torra como presidente da Generalitat, cargo equivalente a governador da Catalunha. Puigdemont continua na Alemanha, em liberdade, aguardando julgamento do pedido de extradição formulado pelo governo espanhol.

Quatro deputados do partido independentista da extrema-esquerda, 'Candidatrura de Unidade Popular' (CUP), optaram pela abstenção.

Torra formará agora um novo governo, requisito para o fim da intervenção de Madri.

No discurso que fez esta manhã, Torra voltou a sublinhar que Puigdemont é o presidente "legítimo" do governo regional da Catalunha e prometeu ser "leal ao mandato" para "construir um Estado independente em forma de República".

- Perpetuação do confronto -Em um primeiro debate sobre a questão no sábado, Torra não conseguiu ser eleito, pois não recebeu o apoio da maioria absoluta (68 votos de 135).

O Executivo vai apostar pelo "entendimento e pela concórdia", disse o chefe do Governo espanhol, garantindo que "a lei, a Constituição espanhola e o resto do ordenamento jurídico se irão cumprir". Quim Torra foi o quarto candidato apresentado à investidura, isto depois de Puigdemont, Jordi Sànchez e Jordi Turrul terem fracassado, o primeiro por estar numa espécie de exílio e os dois "jordis" por se encontrarem detidos em Espanha.

Membro do Parlamento regional, Torra é um advogado e jornalista que tem feito campanha pela independência da Catalunha. Em comunicado, aquela força política que é encabeçada por Carles Riera no parlamento regional, afirmou que "não bloqueará a formação de um novo governo, mantendo as suas quatro abstenções, sem garantir a governabilidade, fazendo uma oposição ativa durante a atual legislatura". Só os próximos dias permitirão perceber se Torra será figura de corpo presente em nome de Puigdemont.

Edition: