Inflação oficial do País fica em 0,22% em abril, diz IBGE

A inflação oficial - o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - subiu 0,22% em abril, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A inflação subjacente - excluindo preços dos combustíveis e bens alimentares - subiu 0,1% em termos mensais e 2,1% em termos anuais. A taxa é superior aos índices de março deste ano (0,09%) e em abril do ano passado (0,14%).

Já o grupo Alimentação e Bebidas subiu 0,09% no IPCA de abril, com impacto de 0,02 p.p. Os alimentos consumidos no domicílio aceleraram de março (-0,18%) para abril (0,27%) e a alimentação fora do domicílio registrou queda de 0,22%, frente a uma alta de 0,52% de março, informou o IBGE. Considerando o período entre janeiro e abril de 2018, a inflação acumula 0,92% - o menor nível para o intervalo desde o início do Plano Real.

No grupo dos transportes, as altas do conserto de automóvel (1,31%) e da gasolina (0,26%) compensaram as quedas do etanol (-2,73%) e das passagens aéreas (-2,67%), levando o grupo a apresentar, na média, estabilidade nos preços de março para abril.

Outro grupo de despesas que pressionou a inflação foi o vestuário, com inflação de 0,62%.

Os gastos com habitação subiram 0,17%, influenciados pela alta média de 0,99% na energia elétrica. O item foi reajustado no Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Salvador e Campo Grande. Em 2017, a alta dos preços foi de 2,95%, em rápida contração após dois anos de recessão econômica com altos índices de preços. Os produtos farmacêuticos ficaram 1,52% mais caros, com destaque para a alta dos preços dos analgésicos, antitérmicos, anti-inflamatórios e hormônios. Um dos itens que mais pressionaram a inflação nesse grupo de despesas foi o leite longa vida, cujo preço aumentou 4,94%.

A alimentação fora de casa, no entanto, teve deflação (queda de preços) de 0,22%.

Edition: