Investigação aponta atuação das milícias na execução de Marielle, afirma Jungmann

Estão, praticamente, com uma ou duas pistas fechadas.

O ministro de Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta segunda-feira que a principal linha de investigação acerca do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março, aponta para o envolvimento de milícias do Rio de Janeiro.

"Ainda que as cápsulas não estejam em sua totalidade, acredito que há pontos suficientes que permitem fazer uma identificação e aproxime de quem vem a ser (o autor do crime)", finalizou. E que eles (os investigadores) têm caminhado bastante. "Essa hipótese mais provável é a atuação de milícias", declarou à CBN. Ele também alegou que os casos do sumiço do pedreiro Amarildo, em 2013, e da execução da juíza Patrícia Acioli, em 2011, levaram mais de um mês para serem solucionados. A vereadora, que estava acompanhada de uma assessora e o motorista, teve o carro alvejado por pelo menos 13 tiros, que atingiu Marielle e Anderson, que dirigia o carro.

Jungmann comentou também que Marielle vinha sendo um elo de ligação entre o atual chefe da Polícia Civil do Rio, Rivaldo Barbosa, e o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) - a vereadora auxiliou Freixo durante a CPI das Milícias, em 2008.

Cerca de 10 vereadores que tiveram contato mais próximo com Marielle na Câmara Municipal do Rio já foram ouvidos na condição de testemunhas, e um encontro entre representantes da polícia do Rio e a família da parlamentar assassinada está previsto para esta segunda-feira para atualizar o nível das investigações.

Segundo ele, porém, a Polícia Civil já entendeu "grande parte do cenário do crime", mas ainda faltam "procedimentos", disse. Criminosos em um carro emparelharam ao lado do veículo onde estava a vereadora e dispararam.

Franco foi atingida com quatro tiros na cabeça e Gomes por três tiros nas costas. Segundo o ministro, pelo menos oito equipes estão trabalhando para a apuração do caso.

Edition: