'Estou tranquilo, mas indignado', diz Lula em recado à militância

A juíza também pediu pronunciamento do MPF sobre a petição da defesa do ex-presidente para que seja garantido a Lula o direito de receber visitas da presidente do PT, Gleisi Hoffmann. "E que quem não cometeu seja absolvido". Em cinco frases, Lula reafirma inocência, desafia a Lava Jato e agradece os militantes pela "resistência", dizendo ouvir os gritos de dentro do quarto onde permanece detido na Superintendência da Polícia Federal. "Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como todo inocente fica indignado quando é injustiçado", diz o ex-presidente no texto, divulgado também em suas contas no Facebook e Twitter.

A mesma estratégia usaram senadores petistas na semana passada, como é o caso da presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR) e o senador Lindbergh Faria (RJ).

"Ficou acordado que os manifestantes vão desmobilizar até as 18h desta terça-feira (17) o acampamento montado próximo à PF - podendo permanecer, em um imóvel particular, quatro tendas para prestar apoio aos manifestantes". O Sindicato dos Delegados da PF do Paraná e a Prefeitura de Curitiba já pediram a transferência do ex-presidente para acabar com a presença dos apoiadores do petista em frente ao prédio da polícia. No entanto, o local do acampamento para o pernoite, será transferido para outro espaço da cidade.

"Eu ouvi o que vocês cantaram".

"Esse acampamento do Lula é uma coisa muito legal e de uma solidariedade imensa". Tenho certeza que não está longe o dia em que a Justiça valerá a pena.

Na mensagem, o ex-presidente afirmou ainda que continua "o desafiando a Polícia Federal da Lava Jato, o Ministério Público da Lava Jato, o Moro e a segunda instância a provarem o crime que alegam que eu cometi" e que, apesar de indignado com a injustiça, está tranquilo.

"Grande abraço e muito obrigado".

Edition: