Setor de serviços tem queda de 1,9% em janeiro, diz IBGE

O volume do setor de serviços do Brasil encolheu mais do que o esperado, fechando com o pior resultado para janeiro em seis anos após um fim de 2017 forte, mas o resultado não tira o setor do movimento de recuperação. O volume tinha crescido 1,0% em novembro, seguido de nova alta de 1,5% em dezembro.

"Foram os serviços de transportes que puxaram essa queda nos serviços em janeiro, porque recuaram 3,0%", apontou Rodrigo Lobo, analista da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE. A mediana encontrada a partir de 15 expectativas ficou negativa em 0,30%. O intervalo das 19 previsões ia de declínio de 0,40% a incremento de 2,40%, com mediana de alta de 0,80%. O volume de serviços também apresentou quedas de 1,3% na comparação com janeiro de 2017 e de 2,7% no acumulado de 12 meses. Apesar de negativa, esta última taxa manteve a trajetória ascendente iniciada em abril de 2017, quando recuava 5,1%.

Desde outubro de 2015, o órgão divulga índices de volume no âmbito da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). "As pesquisas do IBGE tem que ser protegidas com uma imparcialidade muito grande." destacou. Na comparação com janeiro do ano passado, houve alta na receita nominal de 1,2%. A atividade geral do setor caiu 1,9%.

No cenário regional, na comparação com dezembro de 2017, as quedas que mais contribuíram para a redução no volume de serviços foram em São Paulo (-1,4%), Rio de Janeiro (2,7), Santa Catarina (7,6%), Rio Grande do Sul (2,4%) e Distrito Federal (2,1%).

Os serviços de TICs recuaram 0,4% na comparação com o mês anterior, mas na comparação anual caíram 4,8%.

Por atividades, na comparação entre dezembro e janeiro, os principais recuos ocorreram nos segmentos de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-3%) e serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,4%).

Em contrapartida, houve aumento da atividade de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, sendo o maior de todos o do transporte aquaviário, com crescimento de 12,0%.

Edition: