UE quer mais clareza dos EUA sobre novas tarifas

A União Europeia não nos trata bem.

Após esse anúncio, a UE disse que preparava medidas de retaliação contra produtos importados americanos.

Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou decreto impondo tarifas de 25% sobre importações de aço e de 10% sobre as de alumínio, como havia ameaçado na semana passada.

Amanhã, em Bruxelas, Malmström irá se reunir com o Secretário de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e com a autoridade equivalente do Japão, Hiroshige Seko.

"Foi uma discussão franca, mas não obtivemos clareza imediata sobre o procedimento para ficarmos isentos, e as negociações continuarão na próxima semana", anunciou Malmstrom.

Embora nem europeus, nem japoneses esperassem uma decisão hoje, quiseram aproveitar para pressionar os americanos.

"Tais medidas contra países aliados, que respeitam as regras do comércio mundial, não seriam eficazes para lutar contra as práticas desleais", afirmou.

A ministra disse que as tarifas propostas por Trump violarão as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e que a Alemanha coordenaria de perto com a Comissão Europeia a melhor forma de reagir se Trump for adiante.

Com pouco mais de 100 produtos siderúrgicos, desde vários tipos de aço laminado, barras de aço inoxidável até grades, ferramentas e talheres, os europeus esperam recuperar cerca de 853 milhões de euros dos prejuízos causados pelas medidas de Trump.

A mais imediata, que seria aplicável em três meses, consistiria em impor fortes tarifas a alguns produtos muito representativos dos Estados Unidos, como as calças jeans, as motos de grande cilindrada e a manteiga de amendoim.

Veja a seguir a lista provisória de produtos fabricados nos Estados Unidos que se uniria a outras medidas analisadas por Bruxelas como forma de proteger o setor siderúrgico europeu, ou uma demanda conjunta de todos os países afetados por Washington na OMC.

A Europa exportou 5,3 bilhões de euros em aço e 1,1 bilhão de euros em alumínio para os Estados Unidos em 2017.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, admitiu na sexta-feira que não espera ver tudo resolvido com esta reunião.

Em caso contrário, a resposta será rápida.

Edition: