Rastros de contaminação em pub e restaurante frequentados por ex-espião russo

Com a ajuda de militares, a polícia britânica ampliou as investigações em Salisbury para apurar as circunstâncias do envenenamento, com um gás tóxico, do ex-espião russo Sergei Skripal e da filha Yulia.

O encontro, que é o segundo desde quarta-feira, tem o objectivo de fazer um balanço da investigação, comandada pela unidade de polícia antiterrorista, que foi ampliada para tentar determinar a origem do agente neurotóxico utilizado contra Sergei Skripal e sua filha Yulia, assim como o local e a maneira de administração. Ambos foram encontrados inconscientes no domingo passado num banco próximo a um parquinho.

Segundo a rede britânica BBC, não há indícios de intoxicação nos demais clientes que comeram na pizzaria no dia do envenenamento.

O comité "Cobra", convocado em casos de emergência nacional no Reino Unido, vai reunir-se sob o comando da ministra do Interior, Amber Rudd, informou o governo da primeira-ministra Theresa May.

O ex-agente dos serviços secretos russos, que vivia na localidade inglesa de Salisbury, e o seu antigo "contacto" britânico conversavam de forma regular em inglês e em russo sobre certos negócios na Polónia, entre outros assuntos, segundo o The Times, que sublinhou existirem dúvidas sobre se Skripal continuava a trabalhar nos serviços secretos. "Estamos destinando enormes recursos para garantir que eles tenham todo o apoio que necessitem".

Edition: