TCU bloqueia bens de Dilma, Palocci e Gabrielli por compra de Pasadena

Contudo, na reunião desta quarta-feira, o TCU julgou que o conselho é responsável pelas duas operações, portanto, por 100% da compra superfaturada da refinaria, que resultou em US$ 580 milhões de prejuízos para a Petrobras. A compra foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Administração da Petrobras.

O TCU também pediu o bloqueio dos bens do ex-ministro Antônio Palocci, além do ex-presidente do grupo Abril Fábio Colletti Barbosa; Claudio Luis da Silva Haddad; Gleuber Vieira; e do ex-presidente da companhia José Sérgio Gabrielli.

O TCU deu prazo de quinze dias para que os ex-membros do conselho se manifestem. O relator do processo, ministro Vital do Rego, destaca que houve erro nas decisões tomadas pelo conselho de administração da Petrobras na compra da refinaria. A decisão de bloqueio tem efeito imediato, após o tribunal receber a relação de bens, mas cabe recurso tanto no TCU quanto na Justiça.

A polêmica começou em 2006, quando a Petrobras pagou US$ 360 milhões por metade da refinaria de Pasadena, adquirida um ano antes pela empresa belga Astra Oil por US$ 42,5 milhões.

Em agosto, o plenário do TCU já havia condenado Gabrielli e o ex-diretor da estatal Nestor Cerveró pela negociação que levou à compra da refinaria de Pasadena.

Os técnicos do TCU, inicialmente, avaliaram que o conselho de administração da estatal, presidido por Dilma, não teria deliberado sobre a aquisição dos 50% restantes de Pasadena. O TCU também proibiu que ambos ocupem cargos públicos. Os advogados dos outros ex-membros não foram localizados para comentar.

Edition: