Contra denúncia, Temer pressiona ministro do Planejamento a liberar emendas

Temer é acusado pela PGR por "organização criminosa" e "obstrução da justiça". "Eu não sei qual será o parecer de Bonifácio, mas espero que seja pelo arquivamento da denúncia". "Não vai ter surpresa".

Mesmo com a previsão de entrega do parecer somente na parte da tarde desta terça-feira, o presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), confirmou a realização da reunião da comissão às 10h. Entre os pedidos estão os dos deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e Alessandro Molon (Rede-RJ) solicitando a votação separada da autorização para o prosseguimento do processo em relação a cada um dos acusados.

O relator Bonifácio de Andrada afirma que está estudando a acusação de organização criminosa com cuidado.

O relator sinalizou que não pretende separar as acusações no parecer de acordo com o cargo do denunciado, como quer a oposição. "Talvez peça mais horas", disse o tucano. A acusação de obstrução de justiça deve aparecer em segundo plano no parecer.

A discussão da primeira denúncia contra Temer, em agosto, teve dois dias inteiros de discussão na CCJ. Segundo a assessoria da CCJ, mesmo que o relatório não seja apresentado pela manhã, a comissão tem uma pauta para deliberar inclusive sobre questões de Ordem relacionadas ao trâmite da denúncia. Os advogados de Temer, Padilha e Moreira já estão presentes, mas só farão a sustentação oral da defesa após a leitura do parecer do relator.

Ao término das apresentações do relator e dos defensores, é dado como certo o pedido de vista. A comissão se reunirá novamente para discutir o tema no dia 17, data destinada aos debates.

Só após todos os parlamentares discursarem na comissão é que acontecerá a sessão de votação do parecer. Temer quer votar a denúncia na semana do dia 24 de outubro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Edition: