Estabilidade no varejo é pontual e esperada após três avanços seguidos — IBGE

A estimativa de agosto de 2017 para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas foi de 240,9 milhões de toneladas, com alta de 30,4% (ou 56,2 milhões de toneladas) em relação a 2016 (184,7 milhões de toneladas), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo ela, a estabilidade nas vendas gerais é normal depois de três meses consecutivos de alta.

Já a produção de bens de consumo registrou uma queda 1,1% na passagem de maio para junho. "O setor de super e hipermercados costuma ser o primeiro a reagir", afirmou ela.

Embora o resultado de julho seja considerado importante e vem em uma sequência de indicadores positivos, a gerente destacou que o varejo ainda se mantém 8,7% abaixo do recorde que foi registrado em novembro de 2014, mas, em compensação, o ritmo de queda tem sido menor. O intervalo das estimativas variava bastante, de recuo de 0,9% a aumento de 0,5%, com a maior parte das projeções no campo positivo. Isabella Nunes chamou atenção também para o fato de que todas as atividades mostram uma recuperação no mês de julho, exceto combustíveis que mostram resultado negativo. "A estabilização é um movimento bastante observado após três taxas positivas".

Loja no Centro do Rio. Apenas o Ceará registrou queda significativa (-21,1%) em volume de vendas. Na comparação com o mês de maio, contando o ajuste sazonal, a indústria brasileira se manteve estável em junho. Já o segmento de tecidos, vestuário e calçados subiu 0,3%. Vinte consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data esperavam, em média, queda de 0,8%.

O comércio varejista registrou no mês de julho variação nula (0,0 %) no volume de vendas em relação ao mês anterior, na série livre de influências sazonais. Houve ainda elevação de 1,1% no acumulado do ano, mas baixa de 2,8% em 12 meses.

O IBGE divulga o resultado do varejo ampliado, com veículos e materiais de construção em separado, por que estas duas atividades também têm atuação no atacado. Conforme o IBGE, o resultado foi influenciado pela combinação da redução de 0,8% das vendas em veículos e motos, partes e peças e do avanço de 0,9% em material de construção em julho de 2017, se comparado ao mês anterior. Por outro lado, Tocantins (-5,3%) apresentou recuo mais acentuado no varejo no mesmo período. Foram registrados aumentos em 20 das 27 Unidades da Federação.

Os destaques são os estados do Rio de Janeiro (4,6%), Santa Catarina (4,3%), Espírito Santo (3,4%) e Paraná (3,1%).

Edition: