Furacão Irma deixa rasto de destruição na ilha de Barbuda

O furacão Irma provocou seis mortos na parte francesa da ilha de Saint-Martin, nas Antilhas Pequenas, anunciou o prefeito de Guadalupe, revendo em alta o número de vítimas mortais.

"É cedo demais para dar um balanço preciso", afirmou Macron após visitar a célula de crise, montada no ministério do Interior.

Antes, a ministra francesa do Ultramar, Annick Girardin, tinha informado que este furacão tinha causado, pelo menos, dois mortos e dois feridos nos territórios franceses de Saint-Martin e Saint Barthélemy.

O mar "invadiu com extrema violência" a margem, com "submersão importante das partes baixas do litoral", segundo a agência meteorológica francesa Météo-France. "Os danos materiais nas duas ilhas são consideráveis", acrescentou. "Estou em choque. É uma loucura", declarou ao telefone com a Rádio Caraíbas Internacional.

A passagem do Irma, agora acompanhado pelo Jose e Katia, está a deixar um rasto de destruição pelas ilhas.

Em Saint Barth e Saint Martin foi decretado o nível de vigilância cinza, que já não impõe o confinamento da população, mas desaconselha os deslocamentos.

O furacão "Irma" já matou, pelo menos, oito pessoas em St Martin, Anguilla e Barbuda.

O furacão de categoria 5 e ventos de mais de 185mph (295 km/h) passou pelas Ilhas Virgens e Barbuda no começo da madrugada desta quarta-feira, 6, e passa agora por Porto Rico, que está em estado de emergência. Alguns moradores foram evacuados e mais de 700 abrigos montados, enquanto havia cortes de eletricidade em algumas zonas.

Irma deveria "evitar Haiti e República Dominicana e depois Cuba, ficando ao norte destas terras", segundo a Météo-France.

Edition: