'Crise nuclear com Pyongyang pode levar à catástrofe'

A mesma posição já tinha sido defendida pelo Presidente russo durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, que teve lugar na segunda-feira. Seul informou que mais exercícios estão planejados para os próximos dias. Pyongyang manifestou a intenção de instalar ogivas desse tipo em seus mísseis balísticos intercontinentais. Seul afirma que o regime norte-coreano deve lançar mais um míssil em breve.

O ministro da Defesa da Coreia do Sul, Song Young-Moo, afirmou nesta segunda acreditar que a Coreia do Norte miniaturizou com sucesso uma arma nuclear, ao tamanho de uma ogiva. Ao mesmo tempo, Merkel alertou contra uma escalada militar.

O Presidente russo Vladimir Putin reuniu-se esta manhã com o seu homólogo sul-coreano Moon Jae-in, tendo condenado as ações da Coreia do Norte, que anunciou ter testado no domingo uma bomba de hidrogénio para um míssil intercontinental.

Segundo Guterres, ao realizar o teste o país asiático voltou a desrespeitar suas obrigações internacionais e as resoluções do Conselho de Segurança.

A presidente da Suíça, Doris Leuthard, afirmou nesta segunda-feira que o país dela poderia mediar o impasse entre a Coreia do Norte e outras nações por causa dos programas nuclear e de mísseis de Pyongyang.

Vassily Nebenzia disse que a Federação Russa considerava que as sanções contra a Coreia do Norte não estavam a funcionar e que os dirigentes de Moscovo queriam que uma nova resolução da ONU sobre a Coreia do Norte deveria focar-se mais numa solução política. Segundo ela, chegou a hora de exaurir todos os meios diplomáticos antes que seja tarde demais. O exercício militar que teria envolvido a detonação de bomba de hidrogênio constitui inaceitável ato de desestabilização da segurança na região.

"Esse é o maior número que registramos e é uma clara indicação que o programa de armas nucleares da Coreia do Norte está alcançando um nível completamente diferente", disse a secretária-executiva da AIEA, Lassina Zerbo, à CNN. No domingo passado o regime de Pyongyang realizou o sexto ensaio nuclear despoletando uma bomba de hidrógenio, oito a dez vezes mais poderosa que as bombas norte-americanas lançadas contra o Japão em Hiroshima e Nagasaki na II Guerra Mundial.

A embaixadora disse que os EUA não querem uma guerra, mas ressaltou que a paciência do governo Trump não é ilimitada e que os Estados Unidos defenderão seus aliados e territórios das ameaças de Kim.

Os Estados Unidos, Reino Unido, França, Japão e Coreia do Sul convocaram o encontro.

Conselho de Segurança da ONU. Depois de estudar artes performativas na Universidade de Teatro, em Pyongyang, entrou na estação televisiva da Coreia do Norte (KCTV) e em apenas três anos já era uma das principais pivôs dos noticiários.

Edition: