Sem provas contra Lula e Dilma?

O dinheiro seria proveniente de operações de propina por ter viabilizado financiamento do BNDES, o que ampliou consideravelmente o tamanho dos negócios do grupo.

Contradições sobre a notoriedade das contas por parte dos ex-presidentes também ajudam a dificultar a comprobabilidade da informação. Depois, ele disse que teve conversas tanto com Lula quanto com Dilma sobre essas contas. "Ele diz que as contas teriam recursos em favor dos ex-presidentes, mas as contas estavam em nome do próprio Joesley. Mas, até agora, só temos a palavra dele", declarou o procurador. "Segundo ele mesmo [Joesley Batista], o dinheiro das doações não saía dessa conta", disse o procurador ao UOL. "Pedimos documentos para comprovar, e não veio nada", disse. Os executivos correm o risco de perder os privilégios adquiridos na delação, como a imunidade penal e até aumento das penas. "Era ele quem operava as contas", disse o procurador. Por fim, o grupo explica que, "a despeito do grande número de informações e provas já entregues, o compartilhamento de provas e informações complementares entre a PGR e os demais ofícios do MP estão sendo tratados dentro dos trâmites legais".

Lula afirmou que a Rede Globo de televisão não interrompeu sua programação nem quando o fundador da emissora, Roberto Marinho, foi enterrado, ao contrário do que houve com a transmissão da novela que foi suspensa para noticiar a manifestação social contra o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

O segundo ponto seria a falta de evidências de que os políticos citados sabiam da existência do dinheiro, visto que Joesley Batista disse primeiro que o ex-ministro das Finanças Guido Mantega lhe havia confirmado que eles sabiam do caso, mas depois alegou que ele mesmo falou sobre o assunto com Lula da Silva e Dilma Rousseff. Esse dinheiro, posteriormente, acabou descontado, durante as campanhas eleitorais.

Em entrevista divulgada pelo portal de notícias UOL, o procurador Ivan Cláudio Marx, que dirige a investigação deste caso na Procuradoria do Distrito Federal, afirmou que não recebeu provas que sustentem as alegações.

Marx já era responsável pela denúncia de Lula pelas suspeitas de ter cometido o crime de tráfico de influência para que a Odebrecht conseguisse contratos em Angola. O presidente teria pago vantagens ilícitas ao ex-diretor da área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, hoje em prisão domiciliar, para que ele não aderisse à delação premiada.

Edition: