Trump ameaça Coreia do Norte com "fogo e fúria"

A Coreia do Norte ameaçou se vingar "mil vezes" dos Estados Unidos após as sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU no sábado (5) em resposta aos recentes testes com mísseis intercontinentais realizados por Pyongyang.

Já esta segunda-feira, a Coreia do Norte se tinha insurgido contra as sanções da ONU, num comunicado publicado na agência noticiosa oficial KCNA.

A simples alusão a negociações tem sido um tabu na diplomacia norte-americana, que não quer dar sequer a impressão de reconhecer a Coreia do Norte como um Estado nuclear, o que aconteceria ao sentar-se à mesa com enviados de Kim Jong-un.

Pyongyang não dá sinais de recuar nem de abdicar do seu programa de armas nucleares.

China, na qualidade de maior parceiro comercial da Coreia do Norte, está pronta para pagar um alto preço pelas novas sanções contra Pyongyang, em nome da estabilidade na região, declarou o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, durante a cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) em Manila.

Os 15 países do Conselho de Segurança adotaram por unanimidade uma resolução que levou um mês de negociações e resultou em sanções contra a Coreia do Norte que representam cerca de US$ 1 bilhão. China e Rússia votaram conosco.

A resolução, que os EUA negociaram principalmente com a China, país mais ligado à Coreia do Norte entre os integrantes do órgão, se soma a outras aprovadas previamente, mas, de acordo com Delattre, se diferencia por ir além e "abrir a porta" para o único tipo de solução para o conflito, a política.

"Se os Estados Unidos acreditam que estão em segurança porque um oceano nos separa, nada poderia ser um julgamento mais equivocado do que isto", completa o comunicado, que também ameaça os países "que colaboraram com os Estados Unidos" nesta resolução, que deverão "prestar contas".

O chanceler de Pequim fez um apelo à retomada do "Diálogo dos Seis" (China, Estados Unidos, Rússia, Japão e as duas Coreias), apesar da paralisação das negociações há vários anos.

Edition: