Taylor Swift e locutor de rádio em tribunal por causa de apalpão

O advogado da cantora Taylor Swift sugeriu nesta semana que o DJ do Colorado acusado de abusar da cantora em um ensaio fotográfico em 2013 em Denver estava irritado por ter que esperar na fila com jovens fãs de Taylor para a sessão de fotos. Ele é acusado de apalpar a estrela pop, em um julgamento que decidirá sobre acusações mútuas em um tribunal federal de Denver, nos EUA.

Depois que os oito membros do júri foram selecionados, cerca de duas dúzias de fãs da cantora foram autorizados a entrar na sala do tribunal, para acompanhar as apresentações dos advogados da cantora de 27 anos e de Mueller.

Andrea lembrou que, na ocasião, Taylor disse a ela assim que o ato foi realizado. "Eu amo todas as músicas dela".

A ação procura concluir uma série de acusações trocadas entre Swift e Mueller desde que eles, que se apresentaram hoje ao tribunal, se encontraram em uma sessão de fotos antes de um show da cantora em Denver em 2013.

"Não foi um acidente, foi completamente intencional, e eu nunca tive tanta certeza de nada na minha vida", afirmou Taylor ao descrever o incidente durante um depoimento.

Demitido do seu emprego como radialista em uma emissora local, Mueller chegou a processar Swift por calúnia, mas o juiz do caso não deu procedência ao processo. Seu caso cita alegações de violação de obrigações contratuais e relações comerciais potenciais.

Mas Mueller, de 55 anos, negou que a espera de uma hora tenha lhe deixado irritado com Taylor. Na terça-feira, o advogado da cantora disse que Mueller "agarrou o seu traseiro".

Taylor ganhou US$ 170 milhões entre junho de 2015 e junho de 2016, após uma turnê mundial e o lançamento de seu seu álbum mais vendido "1989", de acordo com a revista Forbes.

Edition: