EUA expulsa dois diplomatas cubanos

- Os Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira que no último mês de maio expulsaram dois diplomatas da embaixada de Cuba em Washington, depois que "alguns" dos seus funcionários na sua legação de Havana tiveram que retornar ao país devido a "incidentes" que lhes causaram "sintomas físicos". Segundo a rede de televisão americana CNN, os funcionários teriam sido vítimas de um "ataque acústico", que desencadeou indícios físicos parecidos aos de uma concussão.

A porta-voz da diplomacia norte-americana Heather Nauert não forneceu informações sobre os "incidentes" nem sobre o número de pessoas envolvidas.

Nauert disse que não há "respostas definitivas sobre a origem ou causa dos incidentes", mas deixou claro que o governo Trump responsabiliza o regime de Raúl Castro.

"Cuba é considerada um destino seguro para visitantes e diplomatas estrangeiros".

Em maio, dois diplomatas cubanos na embaixada do seu país nos EUA, tinham sido expulsos.

- Cuba jamais permitiu, ou permitiria, que o território cubano fosse usado para qualquer ação contra agentes diplomáticos credenciados ou suas famílias - disse o Ministério das Relações Exteriores cubano em comunicado. Segundo ele, o governo cubano tem a obrigação e a responsabilidade de garantir a segurança dos diplomatas norte-americanos em Cuba.

Os EUA souberam dos problemas na embaixada no final de 2016, explicou.

Vários dos funcionários da embaixada tinham acabado de chegar à representação americana em Cuba, que reabriu em 2015 após a retomada, impulsionada pelo ex-presidente americano Barack Obama, das relações diplomáticas entre Washington e Havana. Como resultado disso, pedimos a dois funcionários cubanos que deixassem os Estados Unidos e assim o fizeram. Mas, a mídia norte-americana informa que o FBI está investigando o caso. Diplomatas dos EUA estão entre aqueles que são monitorados mais de perto.

Edition: