Engenheiro do Google defende o domínio masculino no Vale do Silício

Um funcionário da gigante de tecnologia terá escrito um manifesto a criticar as ações da empresa em relação à mulheres e diz que a escassez de representantes femininas em Silicon Valley, onde se situam as principais empresas de tecnologia do mundo, se deve ao facto de estas serem biologicamente diferentes dos homens.

Segundo a agência Bloomberg News, o engenheiro identificado como James Damore teria confirmado pessoalmente sua demissão. Um representante do Google não retornou imediatamente questionamentos da reportagem.

"Perguntamo-nos muitas vezes porque não vemos mulheres na liderança, mas nunca perguntamos porque vemos tantos homens nesses lugares". Mas ele não disse se a empresa estava agindo contra o empregado. As mulheres ocupam apenas 25% dos cargos de chefia e 20% das funções técnicas como programação. Ele circulou amplamente dentro da empresa e tornou-se público durante o fim de semana, causando um furor que amplificou a pressão sobre os executivos do Google para assumir uma posição definitiva.

O Google disse à AFP que "não pode comentar casos de funcionários de forma individual".

"Somos inequívocos em nossa convicção de que a diversidade e a inclusão são fundamentais para o nosso sucesso como empresa", disse Brown no comunicado. "Continuaremos defendendo isso e nos comprometemos com isso a longo prazo".

A divulgação do documento causou grande alvoroço, tanto mais numa altura em que a Google enfrenta uma investigação do Departamento de Trabalho dos EUA, sob suspeitas de discriminação salarial, uma vez que pagará menos às mulheres do que aos homens, em cargos semelhantes. O Google negou as acusações, argumentando que não possui uma disparidade salarial entre gêneros, mas preferiu não compartilhar informações completas sobre salários com o governo.

Um discurso sobre anti-diversidade no trabalho, feito por um funcionário da Google, originou várias críticas internas e externas. No seu blogue, Yonatan Zunger considera que o documento de Damore é nada menos do que um "guia para um ambiente de trabalho hostil".

O autor do 'manifesto' será um engenheiro de software sénior da empresa de nome James Damore, que considera que seria mais positivo para a empresa implementar iniciativas que contribuíssem para uma "diversidade ideológica". Ao que tudo indica, esse assunto está longe de ser encerrado com sua demissão.

Brown destaca que a Google sempre defendeu "uma cultura na qual aqueles que têm pontos de vista diferentes, inclusive políticos, se sintam seguros para poder expressá-los". No entanto, ela deixou aberta a possibilidade de que o Google pudesse penalizar o engenheiro por violar as políticas da empresa.

Edition: