Usuários de droga deixam praça conhecida como 'nova cracolândia'

Os usuários de droga que se concentravam há exatamente um mês na praça Princesa Isabel, na região central de São Paulo, deixaram o local, na noite desta quarta-feira (21), e retornaram para uma área próxima a que ocupavam antes da operação policial do dia 21 de maio.

Em 21 de maio, 900 policiais, entre civis e militares, participaram da operação na Cracolândia e prenderam 38 traficantes. A Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) informaram que não agiram de foram a determinar a saída dos usuários de drogas da praça.

O número oficial de suspeitos detidos pela polícia por tráfico não foi informado pelas fontes, mas é certo que, além das prisões de criminosos, o combate ao comércio de drogas tem prejudicado as vendas e, por consequência, o lucro da facção criminosa. Ela foi levada pela Polícia Militar para o 77º Departamento de Polícia e liberada no mesmo dia.

A Secretaria Municipal de Segurança Urbana não respondeu a questões realizadas pela reportagem sobre os motivos do deslocamento e os próximos passos a serem adotados pela GCM diante do novo endereço em que usuários e frequentadores da Praça Princesa Isabel se estabeleceram desde a noite desta quarta-feira.

Há menos de duas semanas, no dia 11 de junho, foi feita outra operação, dessa vez na própria praça, que destruiu as barracas improvisadas e prendeu dois homens acusados de tráfico de drogas.

Ainda segundo as fontes ouvidas pela reportagem, a facção criminosa entendeu que a disposição geográfica da nova Cracolândia não era favorável ao tráfico. Ou seja, não há outras rotas de entrada e fuga para traficar. Depois disso, os usuários voltaram para a Alameda Cleveland, perto da Helvétia. Na região há mais rotas para comercializar o crack, dificultando a identificação e prisão dos traficantes.

A Prefeitura de São Paulo informou que a mudança de local de concentração dos usuários não altera os trabalhos que vêm sendo realizados e que vai manter os atendimentos de saúde e de assistência social na região da Luz. "Estas ações já resultaram em 427 internações voluntárias desde o dia 21", declarou. Na ocasião, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), chegou a afirmar que não havia possibilidade de voltar "a Cracolândia na circunstância que havia anteriormente nessa região da Luz". Também haverá reforço nas vagas disponíveis para internação psiquiátrica, que passarão de 270 para 470.

Edition: