Proibido lançar balões de São João

A PSP de Braga informou que, este ano, é proibido o lançamento de balões de ar quente durante as Festas de S. João, face à antecipação do início do período crítico de incêndios.

A contraordenação é punida por coima e pode variar entre os 140 euros e os cinco mil euros, no caso de pessoa singular, e os 800 euros e os 60 mil euros no caso de pessoa coletiva, indica a portaria n.º 195/2017 publicada esta quinta-feira no Diário da República.

No decurso das festividades, há que tem em atenção para os "perigos resultantes do lançamento dos tradicionais balões de São João para as áreas florestais, residenciais e industriais", lê-se num comunicado da PSP, que solicita "a melhor compreensão e colaboração de todos, no sentido de acatarem as indicações e ordens das forças policiais, especialmente em locais de grande aglomeração de pessoas".

Fonte da PSP do Porto, onde esta sexta-feira e no sábado se comemora a São João, já disse à Lusa que aquela autoridade está a "reforçar o alerta relativamente à proibição do lançamento dos balões com mecha acesa".

Este período crítico do Sistema de Defesa da Floresta contra Incêndios inicia-se assim hoje por decreto, devido às condições adversas que levaram ao aumento do nível de perigosidade para alerta vermelho e laranja.

Quanto ao fogo de artifício de São João, também uma tradição na cidade Invicta, vai manter-se, visto que esse "evento está devidamente licenciado e não vai haver lançamento de foguetes de cana".

O valor médio do prejuízo para os comerciantes do Porto, Vila Nova de Gaia e Gondomar, pela ausência da venda de balões, está calculada em "240 mil euros" se tiverem sido vendidos 80 mil balões a três euros para o São João de 2017, explicou Nuno Camilo, presidente da Associação de Comerciantes do Porto.

Edition: