Flamengo tenta última cartada pelo título brasileiro de 87

Sem condições financeiras e lidando com uma crise administrativa, evidenciada pelas confusões do inchado Brasileirão do ano anterior, a CBF (à época, presidida por Octávio Pinto Guimarães, tendo como vice Nabi Abi Chedid) sinalizou que não tinha condições de organizar o Campeonato Brasileiro de 1987.

O processo começou a tramitar em 1987, após o Flamengo pedir para ser considerado oficialmente campeão brasileiro daquele ano, juntamente com o Sport.

Em fevereiro de 1988, surge a primeira participação em tribunal, e o caso arrastou-se por diversas instâncias ao longo das décadas seguintes, com quase todas as decisões favoráveis ao Sport.

Além de estar otimista com a decisão favorável para que o Sport permaneça como único campeão de 87, o presidente do Leão também demonstra confiança que a disputa judicial se encerra hoje, com o parecer do STF.

Já os demais ministros lamentaram o fato do caso precisar ser avaliado pelo poder judiciário. Mesma postura adotada pela ministra Rosa Weber. Depois, a CBF resolveu organizar outro módulo, o amarelo, com outros clubes, que correspondiam à segunda divisão.

Supremo Tribunal Federal considera Sport único campeão brasileiro de 1987.

O ministro Barroso lembrou que a possibilidade de conferir o título a dois clubes não é inédita, e que a CBF, em outras ocasiões, também por meio de resolução, reconheceu Santos e Botafogo como campeões brasileiros de 1968 e atribuiu ao Palmeiras dois títulos de campeão brasileiro de 1967. O Flamengo entrou com recurso, rejeitado pelo ministro Marco Aurélio Mello em 2016.

O clube pernambucano comemorou nas redes sociais a conquista. "Estamos falando do tapetão do STF para decidir o título de um campeonato de futebol", criticou Barroso. O rubro-negro recorreu da decisão de Marco Aurélio, levando o caso para a 1ª Turma. Mais uma vez. - Sport Club do Recife (@sportrecife) 46 comentários Armando Pinto • há 3 minutos Gozações à parte, eu queria entender porque o Supremo, que se diz sufocado por tantos processos a apreciar e julgar, aceitou o recurso de uma questão já resolvida em 1994, uma vez que já contava com sentença transitada em julgado. "Nenhuma competição é feita para ter dois campeões", destacou Arnaldo. Parabéns para o STF pela agilidade.

Edition: